• ONTOCRACIA
    Um Novo Começo
  •   Tempo de travessia
     
    "Há um tempo em que é preciso
    abandonar as roupas usadas
    Que já tem a forma do nosso corpo
    E esquecer os nossos caminhos que
    nos levam sempre aos mesmos lugares
    É o tempo da travessia
    E se não ousarmos fazê-la
    Teremos ficado para sempre
    À margem de nós mesmos"
     
    (Fernando Pessoa)

    Este ano de 2020 é mesmo um tempo de travessia. É um tempo de travessia, mas não estou a falar de nada exterior a nós. É uma travessia interior, que se ousarmos fazê-la alcançaremos a verdadeira liberdade de Ser. A tão procurada liberdade exterior é apenas uma máscara do poder instituído, da escravidão, da subjugação, do domínio, etc.

    Procuramos tanto a liberdade exterior, que esquecemo-nos do quanto ela nos aprisiona. Quanto mais procuramos a liberdade, mais cresce o nosso medo do aprisionamento. O medo faz com que a liberdade seja apenas aparente e distorcida. Em prol da liberdade, criámos uma sociedade de subjugados aos poderes políticos, religiosos, ideológicos, económicos, sociais, etc. Somos tudo menos livres.

    A verdadeira liberdade vem de dentro para fora. A liberdade é um estado de Espírito. Procurar fora é uma perda de tempo e como diz Pessoa: “Teremos ficado para sempre à margem de nós mesmos“.

    Estes tempos de confinamento forçado têm muito para nos ensinar. Se olharmos bem para o que está a acontecer, podemos ver na perfeição, o que se está a passar dentro e fora de nós. Não pretendo ser exaustivo, pelo que deixo apenas algumas reflexões curtas. Mesmo assim já dão que pensar.

    Senão vejamos:

    – Um vírus que nos faz adoecer e que nos pode matar. (cura/doença)

    Significa que estamos doentes interiormente e que muitos de nós até já estão mortos. Em prol do ter abandonámos o Ser. Olhamos mais para fora do que para dentro.

    – Estado de emergência. (liberdade/confinamento)

    Significa que temos que ficar presos em casa, abdicando da nossa liberdade. Temos o poder instituído. A liberdade está a ser colocada em causa. É preciso tirar as máscaras da falsa liberdade.

    – Ficar em casa, em família. (indivíduo/família)

    Significa que a família está a ser esquecida em prol do individualismo. As relações familiares são desequilibradas, conflituosas e muitas vezes inexistentes.

    – Trabalhar on-line. (emprego/desemprego)

    Significa que algo não vai bem com o trabalho (emprego, local de trabalho, horário, salário, etc.). O desemprego não tem sido levado a sério. A desigualdade social não tem sido levada a sério. Estamos a viver num mundo virtual e a fugir da realidade.

    – Os mais afectados pela doença são os velhos. (Jovens/velhos)

    Significa que temos que abandonar as velhas formas de estar e de viver. Temos descurado/abandonado os jovens à sua sorte. Não os temos ouvido.

    O poder político vai mantendo a máquina a funcionar. (governo/desgoverno)

    Significa que temos que estar mais atentos a quem nos governa e às formas de governo. O vírus veio da China, que já diz muita coisa (aprisionamento, controlo, falsidade, etc.).

    – Pandemia mundial (nacionalismo/globalização)

    Significa que temos que olhar mais para dentro do que para fora. Não podemos estar bem fora se não estivermos bem internamente.

    – Confinamento em casa (natural/antinatural)

    Significa que o mundo físico e a vida em geral estão a ser ameaçados. Os valores foram postos em causa.

    – Estudar a partir de casa (educação/má-educação)

    Significa que entregámos a educação dos filhos a outros, libertando-nos da responsabilidade. Não temos tido tempo para os filhos.

    É tempo de “esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares”. Como já disse várias vezes, cabe a cada um de nós, querer sair desta roda, que já não nos traz nada de novo. Se já sabemos o que se passa, não acham que estamos a ser masoquistas? Será que gostamos de sofrer?

    É tempo de travessia

    Boa reflexão

    PS: O poema “Tempo de travessia“ é atribuído a Fernando Pessoa ou a Fernando Teixeira de Andrade. Independentemente do autor, não deixa de ser um belo poema.

  • 4 comments

    De facto, o que nos cabe a cada um navegar dentro de si por mares antes nunca navegados. O que intento e desejo a todos uma boa viagem.

    Reply

    Excelente visão sobre o que é essencial ver nesta conjuntura que nos mostra o "todo". Mas que não é para o todo que devemos olhar, mas sim para olharmos para o individual em cada um de nós, para reflectitmos e sentirmos a nossa verdadeira identidade. Ver para além do que nos querem mostrar...ver que a melhor forma de curar o mundo está em cada um de nós. A fórmula matemática mais simples 1 1 1 1 1....=a muitos uns, que formam o todo. Parabéns pelo artigo. Juntos Somos Um 🤝🏼

    Reply

    Excelente visão sobre o que é essencial ver nesta conjuntura que nos mostra o "todo". Mas que não é para o todo que devemos olhar, mas sim para olharmos para o individual em cada um de nós, para reflectitmos e sentirmos a nossa verdadeira identidade. Ver para além do que nos querem mostrar...ver que a melhor forma de curar o mundo está em cada um de nós. A fórmula matemática mais simples 1 1 1 1 1....=a muitos uns, que formam o todo. Parabéns pelo artigo. Juntos Somos Um 🤝🏼

    Reply

    Excelente visão sobre o que é essencial ver nesta conjuntura que nos mostra o "todo". Mas que não é para o todo que devemos olhar, mas sim para olharmos para o individual em cada um de nós, para reflectitmos e sentirmos a nossa verdadeira identidade. Ver para além do que nos querem mostrar...ver que a melhor forma de curar o mundo está em cada um de nós. A fórmula matemática mais simples 1 1 1 1 1....=a muitos uns, que formam o todo. Parabéns pelo artigo. Juntos Somos Um 🤝🏼

    Reply