• ONTOCRACIA
    Um Novo Começo
  • Existem muitas razões para se celebrar o Natal, tantas como as que não existem.

    Infelizmente, o ser humano ainda não aprendeu a ver para além do rótulo, para além do conceito, para além das imagens formadas, para além da sua criação com ou sem fundamento.

    O Natal é uma criação do ser humano e tem mil e um fundamentos, quer eles sejam religiosos, pagãos, festivos, económicos, partidários, etc. etc.

    Há aqui alguma coisa de errado? Uns vão dizer que sim e outros vão dizer que não. Nunca vamos estar satisfeitos e vamos andar sempre à procura de uma verdade que na realidade não existe. Todos querem ter razão e o que não falta são argumentos.

    O Natal deve ser vivido segundo o Espírito de cada um. O que ele representa na matéria não é mais do que a futilidade do ser. Futilidade no sentido do prazer e da satisfação momentânea dos sentidos. Decoramos as lojas, as ruas, vamos a eventos religiosos, compramos presentes, fazemos festas, tudo para justificar o Espírito de Natal.

    Procurar o Espírito de Natal fora de nós é uma boa desculpa, mas não nos leva a lado nenhum. O Espírito só pode ser encontrado dentro de nós. Aqueles que o conseguem encontrar estão de parabéns, porque a tarefa, apesar de parecer menor é de longe muito mais gratificante. Para se entrar no Espírito de Natal não precisamos de alimentar os sentidos, precisamos é de alimentar o Espírito. O Espírito não se alimenta da matéria, alimenta-se do que já existe de melhor, dentro de nós. Alimenta-se do amor próprio e do amor ao outro, alimenta-se da vontade de Ser e de viver em harmonia com o todo. Este todo em termos materiais é nada em termos espirituais é tudo o que É.

    O Espírito de Natal não é pertença de ninguém, nem pode ser visto à luz de crenças e de dogmas baseados na fantasia de alguém ou de alguns. O Espírito de Natal está sempre presente em cada dia, em cada minuto, em cada segundo, em cada nanossegundo.

    Não tenho nada contra a que tenhamos uma data para O celebrar, mas se não O consigo encontrar no meu dia a dia, não vai ser no dia de Natal que O vou encontrar. É apenas mais um pretexto do que outra coisa qualquer. O que temos mais são datas, mas se ficam apenas pela pretensão, não servem para nada.

    Neste natal não se fique pela pretensão, acorde para vida que se manifesta dentro de si. O que está fora são apenas projeções do que gostaria de vivenciar dentro de si.  Uma árvore de natal não é mais do que a projeção da beleza e da luz que gostava de ter dentro de si. O pai natal não é mais do que a falta do Pai que sente dentro de si. Os presentes e as festas não são mais do que agonia que sente pela falta de preenchimento interior que existe na sua vida.

    Ser católico, ser ateu, ser protestante e muitos mais seres são apenas rótulos que pretendemos usar para nos qualificarmos e nos identificarmos com algo. No Interior somos todos iguais e disso eu não tenho dúvidas. A forma como cada um vive o natal no exterior não me interessa minimamente. A forma como cada um vive o Espírito de Natal dentro de si é a única coisa que me engrandece e que nos engrandece como um todo.

    É claro que eu gosto do natal tal como ele é pintado na tela. Árvores de natal, presépios, ruas iluminadas, festas de família, etc. Tudo muito bem, mas isto é poucochinho comparado com o verdadeiro Espírito de Natal.

    Os meus natais de infância eram passados à lareira e em família. Não faltava a árvore de natal a bater no teto nem o presépio armado sobre o musgo. Não faltavam as anedotas do avô nem as cantorias, nem as comezanas. Na manhã do dia 25 lá tínhamos os presentes que o menino Jesus nos tinha deixado. Mais tarde passou a ser o pai natal e ainda mais tarde passaram a ser os pais. Uma tradição que passa de geração em geração, pelo menos aqui em Portugal e um pouco por todo o lado ocidental. Nem todos vivem ou viveram o natal desta forma, mas não vejo nada de errado. A forma não tem importância nenhuma, desde que o Espírito, que é a Essência, esteja sempre presente. Não é só no natal, mas sim todos os dias.

    Muitas pessoas dizem que o natal não lhes diz nada. Também não vejo nada de errado. Muitas pessoas não sabem sequer o que é o natal. Também não vejo nada de errado. Cada um está formatado pelo meio onde vive ou viveu e não tem problema nenhum. Podemos ser todos diferentes por fora, mas por dentro somos todos iguais.

    Neste Natal lembre-se que ontem foi Natal e amanhã também é Natal. Natal significa nascimento e todos nascemos e morremos todos os dias. O Espírito nunca morre e está sempre presente para todo o sempre.

    Lembre-se que o Espírito não precisa de uma data para ser lembrado, celebrado, nem se compadece com o que está fora de nós.

    Que neste Natal o Espírito esteja presente dentro de si e de todos os que mais desejar.

    Quer goste, quer não

    Quer acredite, quer não

    BOM NATAL

Não está autorizado a copiar conteúdos deste site. Muito Grato